Um Sonho

page_todos-os-textos

O meu sonho em conhecer a Rússia vem desde quando estudei o Período Imperialista, era dos Czares e a Revolução Russa, lá no saudoso segundo grau.

 

Naquela, ainda quase tenra idade, se eu falasse que ia conhecer aquelas terras, seria rotulado como sonhador maluco e, se insistisse em dizer que iria até lá, correria o risco de ser enviado para um psiquiatra.

 

Pois bem! Na medida que os anos foram passando, continuei com a curiosidade, assistindo filmes, lendo livros, acompanhando reportagens, enfim, tudo o que pudesse ser relacionado à Rússia.

 

Quando comecei a entender um pouco sobre a história do mundo, lá no fim do curso ginasial em 1970, estávamos no ápice da Guerra Fria, cujo mandatário russo era o “sobressanlhudo” e sisudo Leonid Brejniev.

Naquela época, falar sobre a Rússia ou União Soviética era ser considerado subversivo e  ateu. Uma verdadeira virtual (cortina de ferro).

 

Os anos se passaram, veio Mikhail Gorbatchov, com a “GLASNOST e PERESTROIKA”, caiu o Muro de Berlin e, com os quase liberais, Putin e Medvedev, finalmente a Rússia ocidentalizou-se o que permite que eu saia dos livros, filmes e reportagens e pise com meus pés em seu território.

 

Hoje, com meus cinquenta e quatro anos, realizo um sonho de adolescência.

 

Tudo é sonho:

– conhecer a maior ferrovia do mundo e viajar nela, a TRANSIBERIANA.

– conhecer os URAIS e toda a paisagem da SIBÉRIA.

– conhecer o maior lago de água doce do mundo: o BAIKAL

– visitar o local onde o último czar (Nicolau Romanov) e sua família foi assassinado e enterrado: a IGREJA DO SANGE em EKATERIMBURGO.

– cruzar, de trem, o marco entre a Europa e a Ásia.

– visitar uma cidade planejada há mais de 300 anos, com o objetivo de se mostrar para o ocidente, com toda a imponência em suas praças, museus e palácios: SÃO PETSBURGO.

– finalmente, pisar em MOSCOU por alguns dias e conhecer onde várias transformações socioculturais e econômicas aconteceram em vários séculos.

Conhecer, conversar, passear e conviver com aquele povo que, para dizer bom dia, precisamos de um intérprete, mas que, certamente, é um povo que tem muita cultura, espírito de civismo e um grande sonho em perpetuar o bem-estar para os seus descendentes.

 

Para iniciar esta viagem foram décadas de sonhos, três anos na contagem regressiva, dois anos de planejamento, um ano de disciplina financeira e três meses de ansiedade.

Finalmente o embarque.

 

Acompanhe comigo, no dia-a-dia, toda a viagem no verão russo, e depois, se gostares de frio, tem a outra página do blog em que você pode acompanhar a minha viagem em pleno inverno russo. Nesta viagem de inverno, em 2013, já fui com mais conhecimento na bagagem, falando o idioma russo.

 

Estarei inserindo no blog relatos e fotos em meu DIÁRIO DE VIAGEM.

Neste blog, você pode ter uma noção da História da Rússia, desde sua pré-fundação até os tempos atuais.

 

Tchau, até logo

До свидания (da svidânia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *